Reino Unido lança barraca que capta energia solar

A Orange Solar Tent veio para facilitar a vida no camping e trazer mais conforto. Descubra abaixo o por que.

Essa barraca converte a energia coletada em energia para a barraca, promovendo iluminação, controle de temperatura, carregar eletrônicos (sistema de indução magnética sem fios) e capta sinal de wifi.

A Orange é fruto da Kaleidoscope e Orange Communication. Tudo isso ocorre porque o tecido da barraca absorve os raios solares, como se fossem painéis, e contém dispositivos que acompanham a movimentação da luz, garantido maior absorção.

Abaixo, a  imagem do protótipo:

Vídeo

Referência

Pensamento Verde

Anúncios

Nômades digitais: lifestyle que busca a liberdade de viajar enquanto trabalha

Eu me deparei com o termo pela primeira vez, enquanto estava lendo alguns sites sobre como a tecnologia está influenciando as profissões. Para mim foi um conceito de vida profissional e lifestyle muito inusitado, que me gerou grande curiosidade e então emergi em dias de leituras sobre o tema, muitas das quais são do site Nômades digitais.

Essas pessoas, são um exemplo de como a tecnologia está rapidamente mudando nossa estrutura social forma de pensar e agir, dando novas perspectivas de vidas aos pessoas, e possibilidades a mobilidade que não eram sonhadas a décadas atrás.

Mas afinal, o que seria um nômade digital?

São pessoas que podem trabalhar em qualquer lugar, desde que tenha um notebook e conexão com a internet. Perceberam que podem ganhar dinheiro e subir na carreira sem precisar estar fixo num lugar, como em um escritório ou empresa. Assim, largam esse modelo de trabalho tradicional, algum vendem tudo o que tem, e caem na estrada, sem data e local para voltar, ganhando dinheiro e trabalhando durante seus percursos, buscando valorizar seu tempo, enriquecendo com vivencias da viagem, conquistadas numa vida de liberdade. Não são mochileiros ou estão em períodos sabático, tomam isso como estilo de vida e lucram em profissões que dão essa possibilidade.

Quem instigou esse lifesyle foi Tim Ferris, o escritor do livro best Seller “The 4-Hour Workweek”, mostrando como podemos trabalhar 4 horas por semana num negócio online promissor.  O livro teve tanta repercussão que além de deixar o autor milionário, inspirou muitos que criaram sites motivando a causa, entanto não ensinam como a aplicar.

E com o que trabalham?

Em variadas ramos e áreas, abaixo fiz uma lista dos meios de atuação mais citados.

Escritor de livros e ebooks;

Escritor de publicações para revistas ou jornais;

Escritor de conteúdos para blogs;

Revisor de textos;

Produtor de conteúdo para mídias sociais;

Contador;

Professor de idiomas online;

Professor de cursos para vestibular;

Tradutor de textos;

Tradutor juramentado;

Tradutor de áudio para vídeos;

Criador de legenda para vídeos;

Editor de vídeos;

Oferecer cursos online;

Palestrante;

Consultor: marketing, finanças, saúde, fitness, decoração;

Assessor de imprensa digital;

Loja online: de coisas que comprou nas viagens, importação;

Web Design;

Designer Gráfico;

Criador de logotipos;

Desenvolvedor de aplicativos;

Programador;

Suporte técnico a distância;

Aluguel de imóveis deixados em seu país;

Fotógrafo;

Venda de fotos online para banco de imagens;

E o que moveram essas pessoas a largarem tudo para buscarem uma vida na estrada?

A princípio, a Insatisfação.

Você em algum momento, olhou sua vida, viu um futuro traçado e uma carreira promissora, mas sentia que estava perdendo algo? Que trabalhar nisto não agregaria nada a você ou a outros? Que não teria aventuras e histórias para contar a seus netos? Que estava afastado do mundo, que não estava realmente vivendo?

Mesmo obtendo tudo que nos ensinaram ser bom e desejável para um bom futuro, muitos acabam insatisfeitos com nosso modelo de trabalho atual. Apesar disso, alguns optam por ignorar esse sentimento, mas outros, o abraçam e pensam em formas criativas de almejar o que querem, o que os levam a verdadeiras mudanças, buscando um sentido e a felicidade.

O nosso modelo de sociedade é baseada no “sonho americano”: acordar cedo, trabalhar 8 horas, pegar trânsito e vir para casa, ver a família algumas horas antes de ir dormir, para iniciar tudo novamente no dia seguinte. Comprar uma casa, carro, ter um jardim perfeito, uma família bonita, bem vestida, aguardar o ano todo por 30 dias de férias, aguardar décadas pela aposentadoria. É embutido em nós desde o nascimento expectativas segundo esse referencial, e os que o seguem são vistos como “bem sucedidos”, e invejáveis, sendo admirados por sua bela casa ou um cargo alto dentro de uma empresa.

E assim se inicia um ciclo, quanto mais bens materiais vai acumulando, mais se gasta para manter: reparos, taxas, impostos… Demandam cada vez mais dinheiro e consequentemente, tempo de trabalho, esforço e necessidade daquele aumento, mais uma promoção. Isso nos prende, e nos tira o foco do que realmente precisamos para sobreviver e o que nos faz bem. Essa ditadura dos deveres, fecha nossos olhos para olhar outros estilos de vida, e até lembrar como a nossa vida era antes disso tudo. Cria-se um ciclo trabalho-consumo, para tentar manter o padrão de vida valorizado socialmente.

Mas, muitos depois de um tempo neste ciclo, vem a perda do sentido. Depois que encontramos o sucesso na carreira, pela qual se fez anos de investimento de estudo e dedicação. O trabalho árduo para subir ao nível mais alto da profissão, os desafios acabam, encontram um das maiores fontes de infelicidade: o tédio.

Nós, seres humanos necessitam estar sempre em movimento, ter contato com o novo, o que desperta a curiosidade, o que nos move a aprender, e a falta disso, a normalidade, o tédio e a banalização de relações e ações que não produzem algo novo, traz a infelicidade.

E agora, o dinheiro será estímulo suficiente para sustentar a motivação profissional?

A insatisfação traz consigo questionamentos como: o que adianta ter salários altíssimos, comprando casa, mobiliando, piscina, sendo que você não tem tempo para aproveitar?  O que vale ter dinheiro para ir para qualquer lugar, se você só pode fazer isso poucos dias ao ano?

Os nômades digitais são pessoas que passaram por isso e resolveram mudar, mudar tudo o que não os deixavam mais felizes, se desprendendo do consumo para buscar uma vida mais livre, cheia de aventuras, experiências e coisas para recordar.

 

Trabalhar é necessário para nós sobrevivermos, mas será que a forma de trabalho difundida em nossa sociedade é a única válida?

Se não nos faz feliz, necessitamos pensar em alternativas, se lamentar e continuar na mesma não mudará nada.Os problemas precisam ter soluções práticas.

E nisto os nômades digitais pensaram, muitos caíram de cabeças em seus projetos pessoais, buscando disso seu ganha pão. Misturando trabalho e lazer, escolhendo o seu local de trabalho (sua casa, praça, quiosk, praia…) e horário de trabalho. Mas saiba, que a instabilidade e a necessidade de disciplina, acompanham esse estilo de vida que não é para todos.

Buscam viver de um jeito mais livre e dinâmico, e muitos encontram variadas formas de obter dinheiro, o que traz um amplo aprendizado, combatendo a rotina, conhecendo variados lugares diferentes, sem ter que para isso, esperar as próximas férias. Desta forma, buscam inserir a novidade no dia a dia do trabalho, para se tornarem mais produtivos, criativos, surpresos, interessados, curiosos e felizes.

O que é necessário para ser um nômade digital?

Gostou do estilo de vida e acha que pode ser o que sempre almejou? Abaixo, fiz uma seleção de tópicos para se analisar e pensar antes de cair de cair com o pé na estrada.

Pontapé inicial

Muitos acreditam que para ser um nômade, é necessário ser de família rica. Claro que ter recursos financeiros ajuda qualquer um, mas o intuito é você sobreviver de seu trabalho, que deve poder ser feito online de qualquer canto do mundo.

Para os mais precavidos, é sempre bom ter uma poupança, principalmente no início, quando está se inserindo no mercado de trabalho com seus projetos pessoais, e demora para ter o retorno e conquistar clientes fixos, e visibilidade.

Entanto, a vida na estrada é mais barata que a vida fixa numa capital por variados motivos:

Não tendo gastos com reparo e taxas anuais de casa, carro… e viajando você pode escolher para onde ir, a vida nas capitais brasileiras tem um alto custo de vida em comparação a muitas outras cidades ao redor do globo, basta pesquisar.

Para os iniciantes em seus negócios, é indicado procurar locais onde a sua moeda de receita/pagamento é mais valorizada que a do local, obtendo maior lucro, e em contrapartida, conhecendo culturas diferentes (para saber mais, clique aqui).

Outro fator, é que quando se está na estrada, sem uma moradia fixa, você diminui o gasto com coisas não essências, como aquela coleção de bolsas da nova coleção de verão, acessórios para o carro, eletrônicos… você opta pelo leve, multiuso, prático e fácil de carregar.

Trabalho

Antes de tudo, é necessário pensar em sua fonte de renda.

Se você tem um trabalho atual que goste, e ele pode ser adaptado para ser feito online, converse com seu chefe e utilize argumentos como a diminuição dos custos e maior produtividade.

Caso não seja possível um acordo, peça demissão, troque de emprego ou crie um projeto.

Veja algo que possa fazer a distância e principalmente, que goste, te motive e te faça se sentir realizado fazendo. Tudo o que fazer bem feito e com dedicação tem maior chances de ter sucesso, pois se gostar, você vai ser criativo e há chances de sair algo inovador.

A mistura de trabalho com lazer se torna constante, dificilmente havendo horários fixos para ambos, esteja preparado para essa possibilidade.

 

O que é fundamental

Adaptar seu trabalho para ser realizado online com via notebook e 4G. Para complementar, utilize as ferramentas gratuitas que há disponíveis, como: Skype, e-mail, paypal, criando um escritório móvel, de forma fácil e barata.

No Brasil, temos problemas com a qualidade da internet, principalmente no interior. Caso deseje viajar por nosso país, antes de ir aos locais, procure pontos de internet fixa onde possa garantir o seu trabalho, geralmente são locais mais próximos as antenas de celulares.

Veja no site das operadoras as regiões de cobertura informando o CEP.

Busque utilizar a wifi de cafés e restaurantes para atividades pesadas na internet, e a 4G para o trabalho.

Pense sobre o que necessita se aprimorar para tocar seu negócio sozinho. Estude e se atualize sobre as ferramentas que irá utilizar e as habilidades que precisa desenvolver. Provavelmente você vai fazer seu financeiro, marketing… e o que mais aparecer, e terá que estudar caso não tenha conhecimento dessas áreas. Outra opção é contratar pessoas para essas funções, caso seu negócio esteja lucrativo.

Em busca da liberdade

Para uma vida nômade, é necessário se livrar das coisas inúteis que acumulou durante a vida. A TV de plasma, a estante cheia de livros, milhares de pares de sapatos… tudo o que a nossa sociedade nos ensinou a consumir, ser necessário mas que não é realmente.

Inicialmente, obter esses objetos traz uma satisfação momentânea, uma felicidade passageira, até um senso de justiça por merecimento de um agrado após horas de trabalho, cansaço, engolindo sapos do chefe com um sorriso no rosto… mas com o passar o do tempo a felicidade da aquisição some, e as coisas significam somente objetos.

Se hoje fosse seu último dia de vida, preferia ter acumulado experiências ou coisas? Aquela viagem para um lugar desconhecido que te marcou ou trocar o carro para um novo modelo?

Para ser um nômade digital, é necessário abrir mão de alguns pertences e pensar na praticidade, um exemplo é a troca de livros físicos por versões digitais, que podem ser levados facilmente em suas viagens. Trocas inteligentes são necessárias para facilitar sua mobilidade durante as viagens.

Se você tem uma casa, pode troca-la por uma menor, buscando diminuir gastos, e a alugar para ajudar nos custos de sua viagem.

Caso queria guardar seus móveis, pode optar por um depósito ou deixar com conhecidos.

Para os mais corajosos, tudo é vendido, ficando somente com o que pode ser levado numa mochila, e o dinheiro, investido na expansão do seu negócio e nas viagens.

Para os casais com filhos, há metodologias de ensino online que buscam se adaptar a essa nova geração que cresceu tecnológica e dinâmica, como a Khan Academy. E o aprendizado vivencial, das viagens, a imersão culturas é algo que não se encontra em livros, o conhecimento prático é um valor desconhecidos para muitos e que fará diferença no desenvolvimento da criança, como também, obter maior contato e companhia dos pais, experiências valiosas que as crianças poderão presenciar.

Pontos positivos e negativos

Poder trabalhar em qualquer lugar: conhecer novos lugares, pessoas e culturas.

Flexibilidade de horários e distribuição do expediente diante o dia.

Gasto menor de custo de vida, dependendo da cidade na qual planeja ir.

Diminuição do consumismo: por necessidade ou desapego da vida na estrada, você aposta em menos coisas superficiais, como a beleza do local aonde irá se hospedar x a praticidade, ou comprar roupas extras, bugigangas…

Mais tempo: sem perder horas no trânsito para ir trabalhar, almoçar, voltar para casa, reuniões…

Autonomia no trabalho: seguir seu ritmo e aspirações, sendo mais produtivo.

Maior proximidade com a família.

Contato com outros locais, culturas e aprendizados, sendo motor da criatividade que poderá contribuir no trabalho.

Aprender novas línguas ou obter fluência.

Carga horária indefinida, algumas vezes ultrapassando 8 horas.

Você está trabalhando em locais onde outros passam férias, podendo não ter tempo para ir em pontos turísticos (dependendo de sua demanda).

Dependência da internet: quando se trabalha online é um fator essencial, sua falta ou falha é um grande gerador de estresse.

Não pertencer a algum lugar: as vezes não ter um lar ou lugar familiar e a sensação de identidade pode fazer falta. Como também, a necessidade de sentir intimidade e confiança, e para quem é solteiro, é difícil manter um relacionamento vivendo desta forma.

Vistos: por mais que goste de um lugar, os vistos variam de 1-6 meses, e o investimento em aumentar o visto ou ficar no lugar é caro, o que obriga que se mude constantemente.

Dificuldade de manter sites, blogs, canal do youtube e outros projetos com qualidade, enquanto se desloca pelo mundo.

Necessidade de se adaptação a diferente fuso horários.

É necessário ser organizado e disciplinado: respeitando os prazos dos clientes, como também dedicado para apresentar um bom trabalho, abrir portas para indicações e surgimento de novos trabalhos.

E vocês, o que acharam? topariam arriscar?

Links indicados

Liberação Digital: 12 Empreendedores Digitais

Nômades Digitais:Aplicativo reuni viajantes

Nômades Digitais:15 ferramentas online para nômades

Nômades Digitais: Documentário

Nômades Digitais: Ganhando dinheiro com sua profissão e sendo nômade

Nômades Digitais: Projeto reúne história de nômades digitais

Referencias

Feliz com a Vida

Melhores momentos da vida

Família Nômade

Nômades Digitais: 10 vantagens de largar seu emprego e ser um nômade

Nômades Digitais: quem são os nômades digitais

Nômades Digitais: Como é a vida de um nômade digital

Nômades Digitais

Nômades Digitais: como transformaram o mundo em seu escritório 

Nômades Digitais: site copila vagas freelas 

Nômades Digitais: Home office modelo de trabalho do futuro 

Nômades Digitais: O que ninguém ainda te contou sobre ser um nômade digital

Alteração de visto para estudantes na Irlanda

Hoje, dia 25, o governo Irlandez anunciou mais medidas referente ao visto de estudante para não-europeus no país.

O tempo do visto será reduzido de 12 meses para 8 meses, passando a valer no dia 1º de Outubro. Desta forma, o visto poderá ser renovado três vezes.

Assim, o estudante de inglês tera direito a um curso de 6 meses + 2 meses de férias.

Referente ao trabalho, terão permissão para trabalhar durante os meses de curso numa carga horária de até 20h semanais, e 40h nos meses de férias: nos meses de Maio à Agosto e 15 de Dezembro à 15 de Janeiro.

Essas medidas estão sendo tomadas após várias escolas de idiomas serem acusadas de serem “fábricas de vistos” e preservar a tradição educacional do país.

As escolas terão que comprovar um nível de qualidade emitido pelo QQI (o selo Acels) e possuir um programa de Learner Protection, um seguro que permite o deslocamentos de alunos para outras escolas sem custo, caso esta seja impossibilitada de continuar atuando, ou, possibilitar um seguro de reembolso ao aluno.

Os vistos para estudantes de graduação e pós continuam para 12 meses.

Informativo do Governo: Link

Referências: Intercambistas e Expresso Irlanda

visto-635x363