6 aplicativos para Android

 

1- PegaBuzz 

Aplicativo com horários de ônibus da cidade de Joinville, o melhor que já usei.

 

2- Encontre meu celular (Phone Tracker)

Rastreie seu celular ou de seus círculos ao se conectarem na internet.

 

3- Multiply

Jogos para crianças aprenderem Taboada.

 

4- TeamVieiw

Acesse seu computador remotamente pelo celular.

 

5- Foos: Programe por uma hora 5+

Jogos para solução de problemas controlando personagens, para desenvolver a lógica em crianças de 6-8 anos. É um jogo relativamente pesado.

 

6- Box Island: one hour coding

Similar ao Foss, só que com outros cenários e sendo mais leve.

 

 

 

 

Anúncios

Opções Veganas: Subway

A Subway é mais uma opções para lanches de vegetarianos e veganos, entanto é preciso ter cuidado na  sua escolha, já que esse não é seu cardápio principal.

Para facilitar, nos do Expresso V fizemos uma lista rápida dos alimentos permitidos para veganos no Subway.

 

lanche-natureba

 

Pães

  • 9 Grãos
  • Italiano Branco

Ambos contém somente Soja e Glúten, conforme as informações do site.

 

Recheio

Vegetais: Cebola, Picles, Pepino, Alface, Tomate, Pimentão, Azeitonas…

 

Molhos

  • Mostarda
  • Cebola agridoce: tem Sulfitos
  • Vinagre
  • Azeite

 

Outros

  • Sal
  • Orégano

 

Para saber mais, confira o Site.

 

Vídeo – Como funciona a industria de laticínios em 5 minutos

Veja em 5 minutos como uma “escolha pessoal” influencia na vida de muitos seres e no planeta como um todo:

 

 

 

Posts relacionados

O leite é realmente um alimento saudável?

Por que ser Vegan? Os 3 motivos principais

Curiosidades sobre o beijo

para comemorar o dia do beijo, que tal saber algumas curiosidades sobre ele?

O artigo foi postado originalmente pela página O Corpo Humano.

primeiro-beijo-Shutterstock_Images-post

-Aparentemente, além de bactérias, há trocas de hormônios durante o beijo. Isso só é possível porque nossa boca contém membranas mucosas permeáveis que capturam vestígios de hormônios. No caso da mulher, ela acaba absorvendo testosterona e ficando mais propensa ao sexo.

-Um dos fatores que faz um primeiro beijo ser horrível ou perfeito é uma maneira que seu organismo tem de reconhecer um parceiro geneticamente compatível com você. Então quando alguém diz que “não teve química”, essa pessoa está mais do que certa no uso da expressão!

-Tudo o que você faz gasta energia e, por consequência, queima calorias. Com o beijo não é diferente. Um beijo rapidinho e romântico pode fazer com que você perca três calorias, enquanto um beijo um pouco mais apaixonante pode fazer com que você perca mais de cinco calorias. Ou seja: quanto mais você beija, mais calorias gasta.

-Beijar pode fazer com que as pessoas criem laços e é por isso que alguns homens vão embora logo após o sexo: para evitar a troca de carinhos que pode acabar em sentimentos mais fortes e maiores intimidades, o que não é o que alguns caras procuram. De novo: alguns. Não digam por aí que estamos generalizando.

-Envolvimento emocional: Se você ainda não viu ao filme Uma Linda Mulher, eis uma boa dica. Nele, Julia Roberts é uma prostituta que, a princípio, fala ao mocinho do filme que não beija clientes. Isso não é só uma licença poética do roteirista do longa, mas é comum que algumas prostitutas, de fato, não beijem seus clientes, a fim de evitar envolvimentos emocionais e sentimentais.

9 dos Sinais que você está no trabalho errado

Originalmente postado em buzzfed com autoria da 99jobs.com, adaptações Expresso V.

Você fica irritado com qualquer erro

9 Sinais De Que Você Está No Trabalho Errado

Você fica furioso com a incompetência, cobranças, falhas de comunicação… tudo é  motivo para se estar irritado.

QUEM FOI O ASNO QUE COLOCOU O GRAMPEADOR NO LUGAR ERRADO???

Essa foi sua reação quando soube que a reunião iria até mais tarde

9 Sinais De Que Você Está No Trabalho Errado
Semelhante quando soube que acabaram os feriados do ano ou quando era domingo de noite e que a segunda feira se aproximava mais rapidamente a cada segundo.

Skill de procrastinação unlocked

9 Sinais De Que Você Está No Trabalho Errado

No seu celular é possível encontrar: Candy Crush, Pet Rescue Saga, Angry Birds, Flappy Bird, Benji Banana, Pou, Farm Heroes, Fruit Ninja… mais e mais joguinhos para se distrair em momentos que não está sendo vigiado, por exemplo quando vai no banheiro simular um número 2 para ter um momento de paz.

Ao alguém se aproximar com aqueles olhares indiscretos a tela do seu computador, você finge não saber da observação abrindo o Word e fingindo estar continuando um projeto super importante, mostrando sua grande eficiência no projeto em andamento.

O auge do seu dia é o horário de almoço.

9 Sinais De Que Você Está No Trabalho Errado

Você fica ali olhando o relógio vendo o tempo de arrastar esperando a libertadora hora do almoço, que passa voando, claro.

Você não interage muito bem com os coleguinhas de trabalho.

9 Sinais De Que Você Está No Trabalho Errado

Quando os colegas combinam almoços ou saídas após o experiente você se faz de morto até criar desculpas convincentes para não participar.

O tempo passa diferente de uma forma diferente no escritório.

9 Sinais De Que Você Está No Trabalho Errado
Olhando o relógio:
14h02
Olhando o relógio:
14h11
Olhando o relógio:
14h33
Reagindo:
AAAAHHHHHHH CHEGA O NATAL MAS NÃO CHEGA O FINAL DO EXPEDIENTE!!!!

Você fica com ciuminho de amigos felizes em seus trabalhos

9 Sinais De Que Você Está No Trabalho Errado

– Daí, todo mundo se reuniu e criou esse projeto novo!
– Hm
– Sério, é muito legal! A equipe é super unida! ❤
– Hm
– Daí na sexta vai todo mundo para um HH comemorar…
– ….

Você está acomodado

9 Sinais De Que Você Está No Trabalho Errado
Chega aquele funcionário novo todo animadinho com o emprego que você tem que treinar, e fica dando mil dicas de como melhorar o seu trabalho…

Você está mais emotivo que o normal

9 Sinais De Que Você Está No Trabalho Errado

A cada nova sugestão ou crítica ao seu trabalho desce um fantasma da indignação e logo a aquela vontade de chorar mascarando o desejo de mandar todo mundo para aquele lugar…

Como ocorre o abate animal

Você sabe como ocorre o abate da carne que é consumida?

À CAMINHO DO PRATO
1º Estágio
Ao chegar do transporte, os porcos são conduzidos através de currais.

2º Estágio
Os animais são desacordados através de eletrochoques dolorosos que, na maioria das vezes, causam somente a paralisia e os mesmos permanecem conscientes.

3º Estágio
São então pendurados em correntes por uma das patas traseiras.

4º Estágio
São degolados com uma faca afiada, onde se aguarda então o sangue escorrer para os tanques.

5º Estágio
São imersos em água fervente (muitos animais são mergulhados conscientes na fervura).

6º Estágio
Passam pelo processo de esfola onde a pele é toda retirada.

7º Estágio
Chegam a mesa de corte onde são retiradas suas vísceras e a carne cortada.

11223593_922841941084974_4456491652434251092_n

00

Fonte: Instituto Nina Rosa (via Veganismo O Novo Mundo)

Coletor menstrual: por que não falamos dele?

À primeira vista, ele parece um cálice feito de silicone. Embora possa causar estranheza no início, a maioria das mulheres que o experimenta diz que não vive mais sem ele. Mesmo assim, pouca gente o conhece ou já ouviu falar dele.

O coletor menstrual, também chamado de “copinho”, é um dispositivo usado para coletar o sangue menstrual. Ajustável ao corpo, oferece baixo risco de infecções (não há nenhum caso de Síndrome do Choque Tóxico registrado com seu uso, por exemplo), é hipoalergênico, econômico – custa de R$ 85,00 a R$ 150, 00 –  e reutilizável, podendo durar de cinco a dez anos.

Ao contrário do absorvente interno, que precisa ser introduzido no fundo do canal vaginal, o coletor deve ser colocado na entrada da vagina, o que pode causar certo desconforto durante o período de adaptação, que costuma variar de dois a cinco ciclos, em média.

Segundo a doutora Renata Lopes Ribeiro, médica-assistente da Clínica Obstétrica do Hospital das Clínicas da FMUSP e membro da equipe de Medicina Fetal do Fleury e da Maternidade São Luiz (SP), é preciso esvaziá-lo a cada 6 a 12 horas, dependendo da intensidade do fluxo menstrual. Para higienizá-lo, basta lavá-lo com água fria e sabão e ferve-lo após o período menstrual. Como o sangue não entra em contato com o ar, o coletor também evita o mau odor, que pode ocorrer com o uso de absorventes externos.

Em geral, as marcas disponíveis no mercado oferecem dois tamanhos de coletores, um para mulheres que não tiveram filhos e outro para as que já tiveram. O dispositivo não está à venda em farmácias, somente pela internet. Sua única restrição de uso vale para quem ainda não teve relações sexuais, pois o hímen pode se romper na hora de introduzir ou retirar o copinho, e para as puérperas (mulheres que tiveram filhos há menos de 40 dias).

“Não existe um tipo de absorvente que seja universalmente melhor para todas as mulheres. É preciso considerar as características do absorvente, assim como o perfil do ciclo menstrual, as preferências e estilo de vida de cada mulher que irá utilizá-lo. É bom saber que existem opções que contemplem as necessidades de cada uma de nós”, salienta a dra. Renata.

Com todas essas vantagens, é de se estranhar que pouco se fale a respeito dos coletores. Por que um dispositivo relativamente barato, sustentável (o absorvente externo demora cerca de 100 anos para se degradar na natureza e o interno, mais ou menos um ano), que oferece baixo risco de infecções e mais liberdade à mulher é tão pouco divulgado?

Uma coisa é certa: para usar o coletor, a mulher precisa entrar em contato com o próprio corpo, tocá-lo, conhecê-lo, aceitá-lo. Em uma sociedade em que falar sobre o funcionamento e as necessidades do corpo feminino ainda é tabu, em que mesmo hoje em dia algumas meninas escondem até da mãe, mulher como elas, que menstruaram, é fácil entender por que pouco se fala sobre o dispositivo. Espera-se de nós, mulheres, que lidemos com a menstruação em segredo.

Devemos apoiar toda iniciativa que vise a dar mais liberdade e opção de escolha para a mulher. Cada uma tem um corpo, uma história, e quanto mais alternativas tivermos, melhor. Portanto, é hora de olharmos com mais carinho para elas. E para nós.

Fonte

Drauzio Varella

LED faz crescer verduras de boa qualidade

Novo meio de cultivo já contribui para o abastecimento no Japão e nos EUA

ShigeharuShimamura e o cultivo no Japão (Foto: GE)

Além de ser a mais promissora fonte de iluminação, inclusive para grandes projetos urbanos, o LED vem revelando outras propriedades animadoras, como o cultivo de verduras. Nos últimos anos, a tecnologia para isso avançou muito, a ponto de já ser usada na prática para abastecer mercados.

Embora o LED ainda seja mais caro do que as lâmpadas tradicionais, o que impacta o investimento inicial, seu uso na agricultura em ambientes interiores pode ser programado e otimizado, podendo resultar em economia de energia e em alimentos mais nutritivos, frescos e saborosos. A possibilidade de cultivá-los nas cidades também diminui os custos com transporte e reduz o tempo entre a plantação e a mesa.

Na longa história dos esforços da agricultura para controlar e evitar os reveses climáticos, as variações sazonais e as pragas, além de melhorar a qualidade dos produtos, o uso de iluminação artificial em estufas – para compensar a falta de luz à noite, por exemplo – não é novidade. O cultivo em interiores também permite reciclar a água e, por meio de sensores, detectar deficiências químicas que podem ser sanadas pela iluminação dirigida.

O que o LED traz de vantagem principal é a possibilidade de utilizar a luz apenas em algumas fases do crescimento das plantas e direcionar as ondas para “programar” o cultivo. Os ciclos de crescimento podem ser diminuídos pela metade, segundo fabricantes de LED.

Além disso, a luz fria aumenta a intensidade da fotossíntese e diminui os custos com os aquecedores de ar. Pode ser instalada mais perto das plantas sem queimá-las, o que aumenta a possibilidade de concentrar a plantação em espaços menores. E pode ser ajustada para produzir verduras mais macias ou mais crocantes. Finalmente, o uso intensivo do LED, na agricultura e em todas as outras utilizações, tende a aumentar a produção e diminuir o preço por unidade.

Na prática, a tecnologia vem tendo resultados extraordinários na produção de alface, couve e temperos como manjericão, orégano e cebolinha. Cidades como Nova York e Chicago já consomem plantas cultivadas por hidroponia e iluminadas por LED.

Um dos exemplos mais bem-sucedidos nessa área está ocorrendo no Japão, com tecnologia GE. O projeto foi assumido pela prefeitura da cidade de Miyagi, no leste do país. O Japão é um dos países mais interessados em novas tecnologias no campo da alimentação por ser um país de grande população, pouco espaço e uma geografia acidentada e pouco irrigada, além de sujeito a desastres naturais como terremotos e tsunamis.

O biólogo Shigeharu Shimamura transformou uma antiga fábrica na maior fazenda urbana do mundo, com 15 andares e iluminada por 17.500 luzes de LED desenvolvidas pela GE para emitir comprimentos de onda ideais para o crescimento das plantas. O ambiente gerado por essas lâmpadas ganha um banho cor de rosa muito próprio, que faz o cenário parecer de filme de ficção científica.

A produção já chega a 10 mil pés de alface por dia. “Queremos chegar à combinação perfeita de fotossíntese durante o dia e respiração durante a noite, controlando a iluminação e o ambiente”, disse Shimamura ao GE Reports. Ele afirma que o sistema permite cultivar alfaces ricos em vitaminas e sais minerais com rapidez duas vezes e meia maior do que uma cultura tradicional.

Segundo Shimamura, a porcentagem de alfaces descartadas por má qualidade caiu de 50% para 10%. Controlando temperatura, umidade e irrigação, o uso de água chega a 1% do necessário em campos abertos de cultivo. Os LEDs apresentados pela GE para a parceria duram mais e consomem 40% menos energia do que as luzes fluorescentes tradicionalmente usadas em cultivos em ambientes fechados.

Mirai e a GE estão agora promovendo a replicação da experiência em Hong Kong e na Rússia. A tecnologia LED não é apropriada para o cultivo de alimentos como o milho e a batata, mas são culturas que se desenvolvem com bastante eficiência em produções extensivas ao ar livre.

Referencias

Revista Galileu